(11) 2783-0838 | (11) 2783-3574
  sdavf@uol.com.br

Praças e árvores na Vila

Acontece no Bairro

Há tipos variados de mangas na Praça Dr. Sampaio Vidal

Quem passa pela Praça Dr. Sampaio Vidal pode conhecer a manga coração e apreciar na outra mangueira, lá existente, a manga comum, que todos já conhecem e apreciam, apesar do montante de fiapos, que produz.  São os taxistas da Praça, que plantam e cuidam destas arvores.  Mas, vamos, qualquer dia, falar mais detalhadamente sobre o pomar da Praça Dr,Sampaio Vidal.

Praça Monsenhor Heládio Laurini

Esta Praça fica na Rua Chagú, altura do nº 300 e foi adotada não oficialmente por um empresário do local.

Passamos por lá e identificamos algumas arvores que integram o local: mangueira, amoreiras, limoeiros, laranjeira e identificamos o Figo da Índia, desconhecido por todos no local, e, que acabamos com o mistério, que todos estavam ansiosos por desvendar.

Esta fruta faz parte da minha infância, sabe aquelas coisas de avó, emprestada na realidade. ( no interior, antes tinham umas avós adotadas pelos pais da gente, e, a gente entendia mesmo que eram nossas avós, ninguém questionava mãe de quem era: se do pai ou da mãe. Na cabeça da criança era complicado saber quantas avós tínhamos, (duas, quatro, cinco?). Então só aceitava e deixava o questionamento para lá, por que perder os benefícios do carinho de vó? Nem pensar sobre o assunto, eram avós mesmo. Minha avó tinha um pé enorme de Figo da Índia , em quintal, digamos quase chácara.

Então em minha infância, minha vó Sebastiana, tinha absoluta certeza que eu amava Figo da Índia. Desta forma, os que amadureciam em primeiro lugar, eram reservados para mim, só depois, as pessoas poderiam colher os frutos.

Ah! Ficaram curiosos para saber se gostava tudo isto mesmo? Nem, me lembro, era muito pequena, mas quando recebia o recado, que a fruta estava no ponto, certamente ia buscar, as crianças de minha época respeitavam  muito os idosos.

Figo da Índia – Onde encontrar na Vila Formosa?

Temos algumas espécimes de Figo da Índia na Vila Formosa: achamos uma planta  maravilhosa em uma Praça da Rua Chagú; temos uma planta em tamanho pequeno no Pomar da Sociedade dos Amigos de Vila Formosa e outras por aí.

E você conhece alguma espécie em locais públicos aqui da Vila? elho costuma ser usado como corante natural.

Algumas informações sobre o Figo da Índia:

O figo da Índia, de nome científico Opuntia fícus-indica, é uma planta também conhecida como: figueira-da-índia, figueira-do-diabo, piteira, tuna, palma e outros, pertencente à família das Cactaceae, portanto, é uma espécie de cacto. Segundo especialistas e historiadores, o consumo desta planta teve início há cerca de 9.000 anos, sendo originária do México.

È rico em açúcar e com  boa  quantidade de potássio, magnésio, cálcio e vitaminas A, B1, B2 e C.

O figo da Índia é indicado para tratar casos de afecção das vias respiratórias, asma, circulação, coqueluche, diarreia, disenteria, dor reumática, febre gástrica biliosa, tosse, fígado, angina, úlcera, diabetes, tumor benigno da próstata e vermes.

O figo da Índia possui propriedades: adstringente, antidiarreica, antiasmática, antiescorbútico, antiprostática, antirreumático, antitussígena, cardiotônica, colagoga, digestiva, diurética, emoliente, estimulante medular, hidratante, maturativa, mucilaginosa, sedativa, vermífuga e hipoglicêmica.

Além disso, a planta pode ser utilizada na limpeza de pele e como tônica para pele seca. Das sementes da planta é extraído um óleo muito utilizado em produtos cosméticos.

No Brasil, o figo da Índia também é usado para alimentar o gado. Com sabor parecido ao da pêra e do melão, bem aguado e doce, alguns estudos apontam que o seu sumo auxilia no combate às bactérias, além de ser importante para o bom funcionamento do aparelho digestivo.

O figo da Índia pode se apresentar de várias cores: verde, roxa, vermelha, branca ou amarela. O vermelho costuma ser usado como corante natural.

Para comê-lo basta parti-lo ao meio, com muito cuidado e atenção aos espinhos nas mãos. O fruto é  como se fosse um iogurte, com uma colher, pode-se comer o recheio. Também se pode usar o seu interior para fazer doces ou compotas.